Apadrinhe uma criança: como funcionam esses projetos sociais?

Apadrinhe uma criança: como funcionam esses projetos sociais?

O apadrinhamento é um compromisso assumido por pessoas que veem na vulnerabilidade social um empecilho para a dignidade e desenvolvimento pleno das crianças.

Em situação de pobreza, os menores são vítimas das consequências desse contexto. Problemas como a desnutrição, a violência, a evasão escolar, o trabalho infantil e muitos outros desdobramentos.

Problemas esses que apenas dão continuidade a um ciclo iniciado há diversas gerações da mesma família, o que ceifa a perspectiva de um futuro próspero e de escolhas, uma vez que lhes são tiradas as oportunidades.

Devido a essa situação, a ChildFund, instituição social, que há quase 60 anos trabalha em prol de crianças, adolescentes e suas comunidades, financia inúmeros projetos a partir do apadrinhamento.

Por isso, apadrinhe uma criança e faça parte desse trabalho de melhorar a vida de menores em vulnerabilidade social!

O que é o apadrinhamento de crianças?

O apadrinhamento é uma contribuição financeira fixa e mensal de R$ 57 que é administrada pela ChildFund, o que significa que o valor não é recebido pela família do apadrinhado.

A utilização desse dinheiro pode ser acompanhada pelos Relatos de Sustentabilidade, divulgados pela instituição, a fim de conferir transparência e prestar contas de todo o processo realizado.

Entre as centenas de projetos colocados em prática, estão o fomento à leitura, a participação escolar, a valorização da cultura local, o esporte e comunidade, vinculo familiar e muitos outros que efetivam os diretos humanos a essas vidas.

Apadrinhe uma criança

Para que uma pessoa apadrinhe uma criança, é preciso escolher uma das histórias existentes e passar a contribuir mensalmente.

É um processo simples e descomplicado porque não inclui convivência entre os envolvidos, sendo uma relação de apoio, organizada pela ChildFund.

No entanto, tendo em vista o papel fundamental exercido pelos padrinhos na vida dos apadrinhados, também é dado uma alternativa de vínculo afetivo.

Intermediada e supervisionada pela instituição, tendo em vista proteger os direitos e a integridade das crianças, existe a troca de cartas entre afilhado e padrinho.

A partir de tais correspondências é possível acompanhar a rotina de atividades das quais a criança é participante, assim como é notório o aprimoramento deles, a partir da evolução na escrita, um dos sinais dos benefícios provocados.

Apadrinhamento afetivo ou apadrinhamento financeiro?

O apadrinhamento afetivo requer convivência com o afilhado, a partir de passeios agendados, pois, esta modalidade visa a recuperação da confiança familiar, uma vez que tais crianças, por inúmeros motivos, não recebem o afeto e segurança por suas próprias famílias.

Apadrinhamentos afetivos demandam visitas aos padrinhos e uma série de medidas que visam garantir que os adultos cumprirão adequadamente ao propósito da ação.

Já no apadrinhamento financeiro, as mudanças e trabalho social é realizado no contexto da própria criança, através da comunidade e cidade em que está inserida, uma vez que os projetos financiados atuam localmente.

Este processo é mais rápido e simplificado, justamente por não retirar a criança da sua origem, mas sim mudar as condições do contexto em que vive, desenvolvendo habilidades, dando oportunidades e afastando os principais riscos.

Apadrinhe uma criança e incentive os seus amigos a fazerem o mesmo, compartilhando este post nas suas redes sociais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *